quinta-feira, 6 de novembro de 2008

More than ever, hour after our work is never over.

'Nessa semana, os termômetros tiveram a audácia de marcar 36ºC. Um recorde para Brasília, que nunca em toda sua existência teve uma temperatura tão alta sendo marcada em seus institutos metereológicos. Um ultraje para os brasilienses, tão acostumados com o tempo chuvoso de outubro. Após meses de calor intenso, Brasília insiste em continuar quente. E nessa época de final de ano, onde todos estão cansados de trabalhar ou estudar, o tempo resolve não dar trégua, transformando todo e qualquer movimento corporal lento e cansativo, assim como pensar também se torna exaustivo. As aulas são ministradas por professores cansados. São assistidas por alunos que estão no seu limite. Funcionários de empresas não aguentam mais usar seus ternos e gravatas. Mas o trabalhao e os estudos não podem parar.
Cada um deve lidar com suas responsabilidades tal qual um carteiro: faça chuva ou faça sol. Portanto, coma coisas leves, evite exercícios físicos extremos e mantenha-se hidratado. Prefira um lanche com os amigos às baladas animadas. Use roupas leves. Prefira pegar um cinema ao invés de convidar seu namorado para andar no parque. Evite qualquer movimento que possa te cansar. Evite também esforços. Use seu tempo livre para atividades intelectuais. Leia um livro.
Abuse do ar-condicionado, ventilador ou qualquer outro eletrodoméstico que possa amenizar esse calor insuportável. Atualize-se. Pois ao contrário do que se espera, o tempo não vai ceder; a temperatura não vai baixar; outros recordes serão batidos. E seremos obrigados a continuar.'


Crônica publicada no Le MIB, jornal do Modelo Intercolegial de Brasília, o qual me rendeu o cargo de Melhor Jornalista da simulação.

Um comentário:

Leonardo Távora disse...

Somente o conhecimento, aliado a um dom, pode fazer de um homem alguem que consiga deixar marcas pelos caminhos da história. Parabéns pelo prêmio, Eduardo! Continue cultivando este seu magnífico dom, agregando a ele cada vez mais conhecimento, para que suas pegadas jamais sejam esquecidas pelas gerações futuras.